Ser multitarefa é um mito

Turnê PARANORMAL
7 de junho de 2018
Exibir tudo
 

Ser multitarefa é um mito

C om o auditório do Hub Elev Tanguera - Estudio de Danza (Rua Comendador Coruja, 380) praticamente lotado, o ilusionista Kronnus apresentou ao público alguns vilões da atenção, ao defender que a magia também é ciência e que ser multitarefa é um mito. Kronnus é um dos nomes de maior expressão no Brasil em sua área de atuação. Já trabalhou nas maiores TVs abertas do país e, atualmente, é consultor da Central Globo de Jornalismo.

No painel, que levou o tema "Neuromagia, o que a ciência do ilusionismo tem a ver com a inovação", mostrou como pode ser interessante saber controlar os pontos de atenção do cérebro humano. Para ilustrar, envolveu os participantes em diversos exercícios. O primeiro deles consistia em fechar os olhos e responder a algumas perguntas, entre elas, a cor da gravata do ilusionista. Mais adiante, em meio a outra dinâmica, o público se surpreendeu ao perceber que o palestrante já não usava mais gravata, arrancando aplausos.

Apesar da série de apresentações ser extensa e cansativa, Mago Kronnus classifica como gratificante o resultado das apresentações. “A montagem e desmontagem dá muito trabalho, mas ver a reação do público e perceber a satisfação de milhares de pessoas faz valer à pena”, afirmou Kronnus.

Com as atividades, argumentou que tentar ser multitarefa é quase impossível, uma vez que, quando isso ocorre, o cérebro utiliza uma área que não registra informações, o campo estríaco, enquanto para realizar apenas uma tarefa a área utilizada é o hipocampo. "As pessoas pensam que podem fazer tudo ao mesmo tempo, mas não podem", sustentou, e completou: "A mágica é uma ciência, tanto quanto a neurociência. O mágico entende tanto de cérebro quanto neurocientista".

A ilusão de ótica, formada a partir de falhas na percepção e na interpretação de cores, também foi abordada por ele. "Isso não é um defeito, é uma qualidade. Se nosso cérebro fosse interpretar que não existe um triângulo aqui (referindo-se a uma ilustração apresentada), talvez não estivéssemos vivos. Teríamos parado milhares de anos no tempo." Em outra atividade, o palestrante pediu a alguns dos presentes que indicassem, cada um, um número, enquanto passavam de mãos em mãos uma bolinha de papel. Após a soma, o público soube que o resultado já estava registrado na bola de papel.

A ilusão de ótica, formada a partir de falhas na percepção e na interpretação de cores, também foi abordada por ele. "Isso não é um defeito, é uma qualidade. Se nosso cérebro fosse interpretar que não existe um triângulo aqui (referindo-se a uma ilustração apresentada), talvez não estivéssemos vivos. Teríamos parado milhares de anos no tempo." Em outra atividade, o palestrante pediu a alguns dos presentes que indicassem, cada um, um número, enquanto passavam de mãos em mãos uma bolinha de papel. Após a soma, o público soube que o resultado já estava registrado na bola de papel.

A ilusão de ótica, formada a partir de falhas na percepção e na interpretação de cores, também foi abordada por ele. "Isso não é um defeito, é uma qualidade. Se nosso cérebro fosse interpretar que não existe um triângulo aqui (referindo-se a uma ilustração apresentada), talvez não estivéssemos vivos. Teríamos parado milhares de anos no tempo." Em outra atividade, o palestrante pediu a alguns dos presentes que indicassem, cada um, um número, enquanto passavam de mãos em mãos uma bolinha de papel. Após a soma, o público soube que o resultado já estava registrado na bola de papel.

A ilusão de ótica, formada a partir de falhas na percepção e na interpretação de cores, também foi abordada por ele. "Isso não é um defeito, é uma qualidade. Se nosso cérebro fosse interpretar que não existe um triângulo aqui (referindo-se a uma ilustração apresentada), talvez não estivéssemos vivos. Teríamos parado milhares de anos no tempo." Em outra atividade, o palestrante pediu a alguns dos presentes que indicassem, cada um, um número, enquanto passavam de mãos em mãos uma bolinha de papel. Após a soma, o público soube que o resultado já estava registrado na bola de papel.

A ilusão de ótica, formada a partir de falhas na percepção e na interpretação de cores, também foi abordada por ele. "Isso não é um defeito, é uma qualidade. Se nosso cérebro fosse interpretar que não existe um triângulo aqui (referindo-se a uma ilustração apresentada), talvez não estivéssemos vivos. Teríamos parado milhares de anos no tempo." Em outra atividade, o palestrante pediu a alguns dos presentes que indicassem, cada um, um número, enquanto passavam de mãos em mãos uma bolinha de papel. Após a soma, o público soube que o resultado já estava registrado na bola de papel.

Kronnus circula pelo Brasil com o espetáculo ?Kronnus - O Ilusionista?, inspirado nos grandes shows de Las Vegas. Ainda atua em diferentes tipos de eventos corporativos, feiras e marketing promocional, associando marcas com números de mágica, transmitindo a mensagem desejada com clareza e entretenimento. A programação do BS Festival segue ao longo do dia, com atividades por sete pontos do bairro Floresta, incluindo o Shopping Total.

“O mágico entende tanto de cérebro quanto neurocientista."

 


 

.

Texto: Henrique Jasper

Fotos: Agência Euro.